"Vi descer do céu outro anjo, que tinha grande poder... e clamou fortemente, com grande voz, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilónia, e se tornou morada de demónios"; "E ouvi outra voz do céu, que dizia: Sai dela, povo Meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas." Apoc. 18:1, 2,4.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

O Grande Problema de Job

Job tinha o seu coração cheio de amargura, conforme já vimos, mas esse não era o seu único pecado. O problema era ainda mais grave! Continuemos então a analisar a Palavra do Senhor, que nos mostrará claramente qual era o grande problema de Job que, lembrem-se, é também o grande problema de Laodiceia. Daí o ser tão importante, para cada adventista do sétimo dia, compreender correctamente o livro de Job, pois este nos ajudará a diagnosticar e reconhecer a terrível doença de Laodiceia, doença esta que, se não for tratada a tempo, e com a devida medicação, irá, sem dúvida alguma, levar todos os que a contraíram à morte eterna.

Analisemos então os sintomas desta terrível doença, conforme se acham registados no livro de Job.Após o seu discurso do cap. 3, onde Job começa a deixar transparecer toda a amargura que lhe ía no coração, os seus três amigos quebram o silêncio e dirigem-lhe a palavra.

O primeiro a falar foi Elifaz, que lhe disse:“Se alguém intentar falar-te, enfadar-te-ás? Mas quem poderá conter as palavras? Eis que tens ensinado a muitos, E tens fortalecido as mãos fracas. As tuas palavras têm sustentado aos que estavam caindo, E tens fortalecido os joelhos trêmulos. Porém agora que se trata de ti, te enfadas: Agora que és atingido, te perturbas. O teu temor de Deus não é a tua confiança, E a tua esperança a integridade dos teus caminhos? Lembra-te, pois, quem, sendo inocente, jamais pereceu? E onde foram os retos exterminados? Conforme tenho visto, os que cultivam iniquidade, e semeiam aflição, as segam.” Job 4:1-8

Uma Revelação de Deus

Então, Elifaz conta o que ouviu em visão – mais adiante (em Job 33:14-17) veremos claramente que se tratava de uma revelação de Deus: “Mas a mim se me disse uma palavra em segredo, E os meus ouvidos perceberam um sussurro dela. No meio dos pensamentos que nascem das visões noturnas, Quando profundo sono cai sobre os homens, Sobrevieram-me medo e tremor, Que fizeram estremecer todos os meus ossos. Então passou um sopro sobre o meu rosto; Arrepiaram-se os cabelos da minha carne. Alguém, cuja aparência eu não podia discernir, parou; Um vulto estava diante dos meus olhos: Houve silêncio, e ouvi uma voz: Pode o mortal ser justo diante de Deus? Pode o varão ser puro diante do seu Criador?” Job 4:12-17
E Elifaz continua a falar a Job, aconselhando-o a buscar a Deus. No seu discurso, podemos encontrar a seguinte “bem-aventurança”:“Eis que feliz é o homem a quem Deus reprova, portanto não desprezes a correção do Todo-poderoso. Pois ele faz a ferida, e a ata; Ele fere, e as suas mãos curam.” Job 5:17,18

Job Considera-se Sem Pecado

Na sua resposta a Elifaz, Job afirma: “Há porventura iniquidade na minha língua? Ou não poderia o meu paladar distinguir coisas iníquas?” Job 6:30. Então ele dirige-se a Deus, nas seguintes palavras: “Se pequei, que te farei, ó Guarda dos homens? Por que fizeste de mim um alvo para ti, para que a mim mesmo me seja pesado?” Job 7:20.

Agora é a vez de Bildad dar o seu parecer. Entre outras coisas ele disse a Job: "Até quando falarás tais cousas? E até quando serão as palavras da tua boca como um vento impetuoso? Perverte Deus o juízo ou perverte o Todo-poderoso a justiça? Eis que Deus não rejeitará ao homem sincero, Nem sustentará os malfeitores." Job 8:3,20
“Então respondeu Jó: Na verdade sei que assim é: Mas como pode um homem ser justo para com Deus? Se alguém quisesse contender com ele, de mil cousas não lhe poderia responder nem sequer uma.” Job 9:1-3
Não obstante esta resposta Job continua, como já vimos antes, a insinuar que Deus é opressivo, parcial e injusto (v. 17-19,22,23,32-34). Ele continua a achar que está sem pecado, dizendo para Deus: “Bem sabes tu que eu não sou ímpio”. Job 10:7

Desta vez é Zofar (ou Sofar) quem fala:“Porventura as tuas jactâncias farão calar as gentes? Quando zombares, ninguém te fará envergonhar? Pois dizes: A minha doutrina é pura, E limpo sou aos teus olhos.Porém oxalá que Deus falasse, E abrisse os seus lábios contra ti;(…) Poderás descobrir as cousas profundas de Deus? Poderás descobrir perfeitamente o Todo-poderoso?” Job 11:3-5,7O Orgulho do ConhecimentoE Job responde-lhe ironicamente, dizendo: “Na verdade vós sois o povo, e a sabedoria morrerá convosco.” – e continua orgulhosamente – “Mas eu tenho entendimento como vós, eu não vos sou inferior. Quem não sabe tais cousas como essas?” Job 12:2,3.“Mas pergunta agora às bestas da terra, e elas te ensinarão; E às aves do céu, e elas te farão saber. Ou fala com a terra, e ela te ensinará; E os peixes do mar to declararão. Quem não aprendeu de todos estes que a mão de Jeová faz isto?” (v. 7-9)

Agora Job quer mostrar que também sabe tudo isso: “Com Deus está a sabedoria e a força, Ele tem conselho e entendimento. Eis que derriba, e não se pode reedificar; Lança na prisão, e não se pode abrir. Retém as águas, e elas secam; Solta-as, e elas transtornam a terra.” (v. 13-15) E ele continua, até ao final do cap. 12 a demonstrar a sua “grande” sabedoria. E depois diz:“Eis que tudo isto viram os meus olhos, e os meus ouvidos o ouviram e entenderam. Como vós o sabeis, também eu o sei; não vos sou inferior. Mas eu falarei ao Todo-Poderoso, e quero defender-me perante Deus. (…) Ouvi agora a minha defesa, e escutai os argumentos dos meus lábios. (…) Ainda que ele me mate, nele esperarei; contudo os meus caminhos defenderei diante dele. Também ele será a minha salvação; porém o hipócrita não virá perante ele. Ouvi com atenção as minhas palavras, e com os vossos ouvidos a minha declaração. [e agora dirige-se a Deus:] Eis que já tenho ordenado a minha causa, e sei que serei achado justo. (…) Quantas culpas e pecados tenho eu? Notifica-me a minha transgressão e o meu pecado.” Job 13:3,6,15-18,23
Elifaz responde-lhe: “ a tua boca declara a tua iniquidade… A tua boca te condena, e não eu, e os teus lábios testificam contra ti. És tu porventura o primeiro homem que nasceu? Ou foste formado antes dos outeiros? Ou ouviste o secreto conselho de Deus e a ti só limitaste a sabedoria? (…) Por que te arrebata o teu coração, e por que piscam os teus olhos? Para virares contra Deus o teu espírito, e deixares sair tais palavras da tua boca? Que é o homem, para que seja puro? E o que nasce da mulher, para ser justo?” Job 15:5-8, 12-14Job defende-se, declarando ser pura a sua oração: “O meu rosto está todo avermelhado de chorar, e sobre as minhas pálpebras está a sombra da morte: Apesar de não haver violência nas minhas mãos, e de ser pura a minha oração.” Job 16:16,17Mais à frente Job diz: “ele [Deus] sabe o meu caminho; provando-me ele, sairei como o ouro. Nas suas pisadas os meus pés se afirmaram; guardei o seu caminho, e não me desviei dele. Do preceito de seus lábios nunca me apartei, e as palavras da sua boca guardei mais do que a minha porção.” Job 23:10-12
Bildad responde-lhe: “Como, pois, seria justo o homem para com Deus, e como seria puro aquele que nasce de mulher?” Job 25:4

À Minha Justiça Me Apegarei

Mais adiante Job afirma: “Enquanto em mim houver alento, e o sopro de Deus nas minhas narinas, não falarão os meus lábios iniquidade, nem a minha língua pronunciará engano. … até que eu expire, nunca apartarei de mim a minha integridade.” Ele chega mesmo a dizer: “À minha justiça me apegarei e não a largarei; não me reprovará o meu coração em toda a minha vida.” Job 27:3,4,6.
E, no cap. 29, Job passa a apresentar um relatório das suas boas obras, mostrando assim estar cheio de justiça própria – que aos olhos de Deus é como trapos de imundície (Is. 64:6) – e não da justiça de Cristo:
“Ouvindo-me algum ouvido, me tinha por bem-aventurado; vendo-me algum olho, dava testemunho de mim; Porque EU livrava o miserável, que clamava, como também o órfão que não tinha quem o socorresse. A bênção do que ia perecendo vinha sobre mim, e EU fazia que rejubilasse o coração da viúva. Vestia-me da justiça, e ela me servia de vestimenta; como manto e diadema era a minha justiça. EU me fazia de olhos para o cego, e de pés para o coxo.” Job 29:12,13-15.
Eu, eu, eu! Faz lembrar a resposta do jovem rico a Jesus, quando Ele lhe disse para guardar os mandamentos: “Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade”. Mat. 19:20
No entanto, por maior que possa ser a lista de boas obras de alguém, a Bíblia afirma:“por obras da lei nenhum homem será justificado diante dele, pois, pela lei vem o pleno conhecimento do pecado [e não a justificação]. Mas agora sem lei tem-se manifestado a justiça de Deus, atestada pela Lei e pelos profetas, a saber, a justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo para com todos os que crêem. Pois não há distinção; porque todos pecaram e necessitam da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente pela sua graça mediante a redenção que há em Cristo Jesus”. Rom. 3:20-24. Ninguém pode tornar-se justo através da guarda da Lei. Até porque, ao ser humano apartado de Cristo, seria impossível fazê-lo. “Pois a mente da carne é inimizade contra Deus; visto que não é sujeita à lei de Deus, nem o pode ser”. Rom. 8:7. A justificação é um dom de Cristo, que se aceita pela fé, exercendo a nossa vontade, sem nenhum esforço adicional da nossa parte. “Pois, que diz a Escritura? Creu Abraão em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça. Ora, àquele que faz qualquer obra não lhe é imputado o galardão segundo a graça, mas segundo a dívida. Mas, àquele que não pratica, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada como justiça.” Rom. 4:3-5.

Declaração de Integridade

Mas Job ainda não tinha entendido isso. Desta forma, e ao longo de todo o cap. 31, ele continua a declarar a sua integridade:“Fiz aliança com os meus olhos; como, pois, os fixaria numa virgem? (…) Se andei com falsidade, e se o meu pé se apressou para o engano (Pese-me em balanças fiéis, e saberá Deus a minha sinceridade), se os meus passos se desviaram do caminho, e se o meu coração segue os meus olhos, e se às minhas mãos se apegou qualquer coisa [referência ao roubo], então semeie eu e outro coma, e seja a minha descendência arrancada até à raiz. Se o meu coração se deixou seduzir por uma mulher, ou se eu armei traições à porta do meu próximo, então moa minha mulher para outro, e outros se encurvem sobre ela, porque é uma infâmia, e é delito pertencente aos juízes. (…) Se desprezei o direito do meu servo ou da minha serva, quando eles contendiam comigo; (…) se retive o que os pobres desejavam, ou fiz desfalecer os olhos da viúva, ou se, sozinho comi o meu bocado, e o órfão não comeu dele (porque desde a minha mocidade cresceu comigo como com seu pai, e fui o guia da viúva desde o ventre de minha mãe), Se alguém vi perecer por falta de roupa, e ao necessitado por não ter coberta, Se os seus lombos não me abençoaram, se ele não se aquentava com as peles dos meus cordeiros, Se eu levantei a minha mão contra o órfão, porquanto na porta via a minha ajuda, então caia do ombro a minha espádua, e separe-se o meu braço do osso. (…) Se no ouro pus a minha esperança, ou disse ao ouro fino: Tu és a minha confiança; Se me alegrei de que era muita a minha riqueza, e de que a minha mão tinha alcançado muito; se olhei para o sol, quando resplandecia, ou para a lua, caminhando gloriosa, E o meu coração se deixou enganar em oculto, e a minha boca beijou a minha mão [referência à idolatria, adoração ao sol, lua e estrelas], também isto seria delito à punição de juízes; pois assim negaria a Deus que está lá em cima. Se me alegrei da desgraça do que me tem ódio, e se exultei quando o mal o atingiu (também não deixei pecar a minha boca, desejando a sua morte com maldição); (…) O estrangeiro não passava a noite na rua; as minhas portas abria ao viandante. (…) Ah! quem me dera um que me ouvisse! Eis que o meu desejo é que o Todo-Poderoso me responda, e que o meu adversário escreva um livro. (…) Se a minha terra clamar contra mim, e se os seus sulcos juntamente chorarem, se comi os seus frutos sem dinheiro [referência a comer da novidade da terra, como dizem algumas versões, ou seja, das primícias que pertenciam ao Senhor. O equivalente, nos nossos dias, à retenção de dízimos], e sufoquei a alma dos seus donos, por trigo me produza cardos, e por cevada joio. Acabaram-se as palavras de Jó.” Job 31:1,5-11,13,16-22,24-30,32,35,38-40.

Era Justo aos Seus Próprios Olhos

“Então aqueles três homens cessaram de responder a Jó; porque era justo aos seus próprios olhos.” Job 32:1Ele mesmo tinha pronunciado a sua culpa. Pior ainda, parecia estar satisfeito com isso: “À minha justiça me apegarei e não a largarei”. Job 27:6. Conhecem melhor retrato da igreja de Laodiceia? (Ver Ap. 3:14-22).“Visto que dizes: Rico sou e estou enriquecido e de nada tenho falta, e não sabes que tu és o coitado, miserável, e pobre, e cego e nu” Ap 3:17. Job é um símbolo perfeito de um laodiceano dos nossos dias, pois como Job, este se julga justo, sábio, rico e auto-suficiente, não percebendo, por sua terrível cegueira espiritual, que não passa de um “coitado, miserável, e pobre, e cego e nu”. Mas Deus amava Job. E ele permitiu que lhe sobreviessem terríveis provações, a fim de que ele manifestasse o que ía no seu íntimo, e desta forma pudesse aperceber-se do seu problema. Pois só tomando consciência da sua enfermidade espiritual é que ele poderia buscar o Médico Celestial a fim de ser sarado. Mas ainda assim, com todas aquelas calamidades, Job não entendeu. A sua cegueira era grande… Mas Deus, na Sua misericórdia, utilizou um mensageiro: Eliú, um quarto homem que entra em diálogo com Job. Da mesma forma Deus ama Laodiceia e Ele também tem os Seus mensageiros, hoje, para fazer ver à Sua igreja o seu pecado, para que possa buscar a cura que só Ele pode dar.

Fica atento. No próximo artigo sobre o livro de Job, iremos analisar o discurso de Eliú e o final da história, com as respectivas lições para Laodiceia. Veremos também quem são os mensageiros de Deus, hoje.

Sem comentários:

Não Deixes de Ler:

- A Bíblia Sagrada.



- A série O Grande Conflito, de Ellen White, composta por cinco livros, os quais tratam da história do trato de Deus com o Seu povo, desde o princípio até ao porvir:Patriarcas e Profetas, Profetas e Reis, O Desejado de Todas as Nações, Actos dos Apóstolos, O Grande Conflito (ou A Grande Controvérsia).



Um Resgate Pleno e Completo

"Por meio de Cristo provê-se ao homem tanto a restauração como a reconciliação. O abismo produzido pelo pecado foi transposto pela cruz do Calvário. Foi pago por Jesus um resgate pleno e completo, em virtude do qual o pecador é perdoado e mantida a justiça da lei. Todos os que crêem que Cristo é o sacrifício expiador podem chegar a Ele e receber o perdão dos pecados; pois pelos méritos de Cristo, franqueou-se a comunicação entre Deus e o homem. Deus pode aceitar-me como filho Seu, e eu posso reclamá-lo como meu Pai amoroso e nEle me regozijar."- Review and Herald, 1 de abril de 1890.



Queres ser feliz?
"O coração humano não conhecerá felicidade enquanto não se submeter a ser moldado pelo Espírito de Deus."Ellen White, Eventos Finais, Pág. 65.


A cada instante... sob a direcção do Espírito
“Não há um impulso de nossa natureza, nem uma faculdade do espírito ou inclinação do coração, que não necessite de achar-se a todo o instante sob a direcção do Espírito de Deus. … Portanto, por maior que seja a luz espiritual de alguém, por mais que goze do favor e bênção de Deus, deve andar sempre humildemente perante o Senhor, rogando pela fé que Deus lhe dirija todo o pensamento e domine todo impulso.” Ellen White, Mensagens aos Jovens, pág. 62.


Como é que se opera a transformação do carácter?
“O conhecimento de Deus, segundo a revelação dada em Cristo, eis o que devem ter todos quantos se salvam. É o conhecimento que opera transformação no carácter. Recebido, esse conhecimento recriará a alma à imagem de Deus. Comunicará a todo o ser um poder espiritual que é divino.” Minha Consagração Hoje – Meditações Matinais , pág. 293.





NEM UMA HORA SEM ORAÇÃO
“Satanás está bem ciente de que a mais débil alma que permaneça em Cristo é mais que suficiente para competir com as hostes das trevas, e que, caso ele se revelasse abertamente, seria enfrentado e vencido. Portanto, procura retirar das suas potentes fortificações os soldados da cruz, enquanto jaz de emboscada com as suas forças, pronto para destruir todos os que se arriscam a penetrar em seu terreno. Unicamente com humilde confiança em Deus, e obediência a todos os Seus mandamentos, poderemos achar-nos seguros.
Ninguém, sem oração, se encontra livre de perigo durante um dia ou uma hora que seja. Especialmente devemos rogar ao Senhor sabedoria para compreender a Sua Palavra. Ali estão revelados os estratagemas do tentador, e os meios pelos quais se pode a ele resistir com êxito.” Ellen White, O Grande Conflito, pág. 535, cap. Os ardis de Satanás


DIVULGA!

Se tens apreciado este blogue, partilha com os teus amigos!
http://caiubabilonia.blogspot.com/